Fuja do óbvio: Conheça a inexplorada Myanmar

Ja ouviu falar em Myanmar, a antiga Birmânia? É um país que teve sua independência apenas em 1948 e ainda está se abrindo para o turismo. Visitá-lo é fazer uma imersão numa Ásia mais genuína e com pouca influência ocidental. Lá, os monges são vistos a todo tempo e as pessoas usam longyi (uma vestimenta típica) para se proteger do sol.

Suas paisagens misturam montanhas, vales, templos e selva. Os birmaneses são profundamente religiosos e têm sua cultura baseada no budismo que é a religião predominante. Para conhecer melhor Myanmar é interessante passar pelo menos 9 dias por lá e a melhor época para visita-la é de Outubro a Março.

Uma sugestão seria começar por Yangon, antiga capital e maior cidade do país, que mescla do contemporâneo ao colonial e carrega uma história de mais de dois milênios, além dos muitos templos e pagodes importantíssimos para o budismo. É imperdível assistir ao pôr do sol no pagode Shwedagon!

Seguindo, a leste de Myanmar, vale a visita à região do Inle Lake, o lago de 100 km de extensão que fica em meio às montanhas Shan. Há também mosteiros, templos e pagodes ao longo do lago seguido de centenas de vilarejos flutuantes com casas construídas com bambu, tecido, palha e madeira, que são erguidas sobre palafitas e, claro, os pescadores de estilo único que se equilibram em apenas uma perna na polpa do barco para facilitar a visualização dos peixes.

Por último vale a pena finalizar a viagem na cidade dos dois mil templos. Bagan tem um cenário mágico e emocionante, que deve ser aproveitado visitando os principais templos e interagindo com os locais. Lá o amanhecer e o entardecer são fascinantes ainda mais quando este primeiro é visto de um passeio de balão.

Se você tiver mais tempo para curtir esse destino, vale incluir o cruzeiro pelo rio Mandalay que é uma forma diferente de explorar ainda mais Myanmar.

É muito importante saber que de todas essas atrações diferentes de nossa realidade Ocidental, a mais incrível sem dúvida são os birmaneses: um povo humilde, muito espiritualizado e que tem muito a nos ensinar.

Quer se inspirar para essa viagem? Recomendo a leitura do "O Palácio de Espelho" de Amitav Ghosh.